O Reino de Deus Na Terra Dos “deuses”

O meu relato pessoal:

Eu cheguei na Grécia no dia 18 de Janeiro, depois de duas marcantes semanas em Cornwall, Inglaterra, onde vi e vivi coisas que nunca havia vivi antes (como ver um senhor nos seus setenta anos fazer uma oração completa em línguas e cinco minutos depois ver uma moca simplesmente interpreta-la e traduzi-la para toda a igreja; e ver um dos meus colegas na minha eted ter a sua oração respondida quando numa igreja de mais de duzentas pessoas uma mulher vai a frente dizendo ter uma palavra profética para um felipe, e ele era o único com esse nome).  E por isso, não sabia muito o que esperar daquele tempo, mas baseado no que havia vivido naquelas curtas semana eu sim, começava a criar expectativas pelo o que Deus iria fazer.

Me lembro de ter aberto o meu coração com Deus um tempo atrás e compartilhado com ele que eu sentia que não havia experimento o “Reino de Deus” na sua completude ainda, eu havia ouvido muitas historias e testemunhos de outras pessoas, mas era como que o seu Reino fosse aquela casa em que eu ficava apenas olhando do lado de fora da janela, vendo tudo acontecer, mas não vivendo nenhuma delas. E eu não queria mais, eu estava decidida a adentrar à casa. E foi isso que eu pedi a Deus, que eu puder ver o seu o seu Reino, em acao, vivo, mudando vidas, mudando a minha vida. E a Grécia se parecia o cenário mais “cristão” possível para experimentar isso, com todo o legado spiritual que aquele povo carrega, sendo os gregos os primeiros a serem incluídos na família de Jesus antes de todo o mundo ( porque eram os mais perto no mapa) e aquela terra por ter abrigado ( e rejeitado) Paulo por tantas vezes. E realmente foi, legado espiritual é algo que não se engana ( tanto o bom quanto o ruim) e foi por isso que na primeira semana eu e o meu time nos vimos em uma grande batalha espiritual interior, era como se todas as potestades do lugar nos atacassem de uma só vez, e foi ai que a minha a minha primeira experiência com Deus começou.

Eu nunca vou me esquecer da noite em que saímos metade do meu grupo para evangelizar, mas estávamos tão amedontrados e focados nos nas nossas próprias batalhas que acabamos não falando com ninguém, terminamos a noite sentados no muro do pier, “aparentemente” derrotados e decidimos ler um livro da biblia, escolhemos Efésios. Eu preciso dizer que ate aquela noite eu ainda tinha as minhas duvidas se Deus realmente falava individualmente através da Bíblia, mas naquele momento, quando começamos a ler, as palavras pareciam soltar das paginas era como se cada verso daquele livro inteiro fosse unicamente para mim e cada pagina falava em específico sobre tudo o que eu estava passando, era o proprio Deus, na minha frente, me dando a resposta em detalhes sobre tudo o que eu estava orando. E me parece que desde então, eu nao conseguia soltar a Bíblia mais, me lembro de ter lido o livro de efesios mais três vezes, depois daquela noite, de tão fascinada que eu estava e dia após dia era como se Deus falasse mais e mais claramente através da Biblia, nunca cheguei tão perto do seu caráter e personalidade quanto cheguei naqueles dias.

E assim tudo continuou, a Grécia realmente foi uma aventura, eu  fui despertada e desafiada em tantas áreas que antes me assustavam, mas que eram o desejo de Deus para mim viver: intercessão, evangelismo e liderança ( de todas as três, só consigo hoje me ver em uma, as outras duas ainda parecem tão surreais, mas tenho certeza que se Deus falou, ele vai ser fiel para torná-las realidade na minha vida, e que cada um de vocês que estão lendo isso, ainda vão ter a oportunidade de testemunha-las na minha vida!) Evangelismo era a nossa principal atividade, acompanhado de danças e teatros, mas era a parte de ir e conversar com pessoas, que sempre me assustava sempre, tanta insegurança e medo medo me cercava desde de a primeira semana. Até que um dia, no momento de intercessão, antes de sairmos, Deus compartilhou o coração dele comigo em uma oracao, eu nunca me senti tão convicta do quão real Deus é e do quão vivo e em ação Jesus é hoje e naquela noite eu quis fazer daquilo, eu não queria simplesmente experimentar a presenca de Deus dentro de um quarto, eu QUERIA sair para fora, naquela noite dois adolescentes aceitaram a jesus ( e se lembre que aceitar Jesus na Europa não é algo tão comum quanto no Brasil) e desde de aquele dia eu não tive mais medo, Deus simplesmente retirou-o do meu coração.

As semanas se passavam e Deus continuava a agir, em mim e a minha volta, eu tive a oportunidade de orar e adorar no mesmo lugar onde Paulo costumava fazer suas pregações ( Mars Hill, Atenas) e ler a Bíblia em voz nas ruas em que ele andou, carregando o evangelho pela primeira vez. Conheci pessoas que amam a Deus profundamente naquela terra e o comprometimento e o nível de intimidade deles com Jesus, me constrangeu e também me animou, a viver o mesmo. Eu posso dizer que realmente experimentei o Reino de Deus naquele lugar, mas também sei que foi apenas o começo, a partida inicial, pois eu sim adentrei a casa, mas ainda tenho tantos cômodos para conhecer.

O meu tempo na Grécia passou muito mais rápido do que eu pude perceber, e muitas mais coisas aconteceram que, se eu fosse contar todas, não caberiam aqui. Mas eu deixei aquele pais com um coração completamente diferente do que o que chegou, com muitas experiências com Deus que enchem o meu coração de alegria, com muitas revelações que estão marcadas no meu espirito, com muita gratidão em mim e cheia de expectativas pelo o que esta por vir. Sim, essa foi a Grécia para mim.

Agora Detalhes Práticos ( e não pessoais):

A Grécia é um país muito bonito, com uma colinária fantástica, e com um povo muito amável ( que nos lembra até um pouco da América do sul) mas que ao mesmo tempo, tem sofrido muito com a crise econômica que tem abalado o país e feito muitas pessoas desempregadas, o que faz boa parte da população virar a cara para a crise migratória e todos os refugiados que se encontram naquele país. ” O povo grego também passa fome” foi uma das frase que mais ouvi.

A religião oficial do país é a igreja ortodoxica, que é como uma versão da igreja católica, mesmo ainda sim muitas pessoas também se considerem ateias.

As cidades que eu fiquei foram: Piraeus, no sul da Grecia, do lado de Atenas (por 4 semanas) e Tessaloniki, no norte (por 10 dias).

Fotos:

(fotos por: Antonella Galarza)

Com amor,

Sara.

Anúncios

O Desafio e a Maravilha de Viver a sua História

Eu sempre quis viver a minha própria história, cresci escrevendo histórias e aventuras sobre pessoas que nunca existiram, criando, esperando e a minha escrivaninha era o meu ponto de espera na estação, onde eu ansiosamente aguardava, ano após ano, o meu trem chegar, a minha história começar. Vi muitas amigas e conhecidos irem e viverem seus sonhos, enquanto eu, a espera deles, sonhava e fantasiava sobre o dia em que eu realizaria os meus, sobre o dia em que seria eu que eu entraria em um avião e conheceria o mundo. Acontece que com os anos, eu fui alimentando essa expectativa de uma forma não muito saudável, eu não conseguia perceber que a vida já estava acontecendo, à muito tempo ( e era maravilhosa e um presente à cada dia). Eu me acostumei a sonhar e escrever, enquanto na verdade, eu evitava viver.

Acontece que felizmente, eu não sou a mesma Sara de antes, e eu posso afirmar que muitas coisas foram mudadas dentro de mim, principalmente no último ano, coisas dentro e fora. Quando eu finalmente, realizei o meu sonho. No próximo mês fará um ano que eu estou morando na Inglaterra ( o que sempre foi, no mínimo, o sonho da minha vida) e eu ainda me perco em tentar entender o que Deus está fazendo na minha vida. Sim, eu acreditava de todo o meu coração que eu viria para cá em algum momento, mas no meu tempo, nos meus meios e do jeito que eu havia planejado. E foi então que eu descobri algo que eu caminho ate hoje aprendendo a entender: NAO SOU EU QUEM ESCREVE A MINHA HISTORIA. Ponto final. E para mim, que sempre vivi tão confortável por trás do papel, encontrei muita dificuldade em ser personagem principal. É tão fascinante e amedrontador ao mesmo tempo saber que você não tem o controle da sua vida, que viver a sua história também significa se permitir ser escrita, significa chorar e rir e principalmente se surpreender, com o que Deus esta fazendo ( e escrevendo) em você, significa confiar nele como o escritor e confiar completamente, aprender a ser filha e apenas aproveitar a jornada na qual Ele quer te guiar.

Simplesmente estar vivendo a minha história ( onde eu não sou a escritora) mudou muitas coisas em mim, eu parei de escrever por um tempo, mudei gostos e adquiri novos hobbies, literalmente esqueci muito do português por viver 24 horas no inglês ( e não, não escrevo mais como antes) perdi a graça em coisas que antes considerava a minha vida e descobri tesouros que são mais mais preciosos que a própria vida; quis voltar para o Brasil e sim, quis desistir, tentei tomar o controle da minha vida de volta, me afastei de pessoas que amo profundamente e parei de dar notícias; fui forçada a enfrentar falhas em mim que eu não queria olhar e descobri que sou muito, muito mais preciosa, do que eu poderia imaginar. Tudo isso no processo de simplesmente aceitar, a história que Deus tem escrito em mim.

Realmente, eu mudei, sumi, a gente não consegue ser poético para sempre, a vida acontece e a gente descobre que a realidade com Deus é muito mais apaixonante que o papel em si só. Mas eu ainda estou aqui e principalmente, ainda estou diariamente em obras, ser escrita por Deus significa estar sempre disposta a ser moldada, e hoje eu quero confessar que a forma que eu reagi ao processo não foi a mais justa à muitas pessoas que eu amo, e Deus tem feito tantas coisas que valem a pena serem contadas, e é por isso que hoje, eu não prometo, mas me comprometo a ser fiel em compartilhar com vocês cada uma delas.

Com amor,

Sara

Brokenness

Eu acredito que essa é a melhor forma de começar esse texto, expondo para vocês quem eu não sou. O significado dessa palavra (brokenness) em português é quebrantamento, mas de uma forma mais dura, mais intensa, é estar em pedaços diante de Deus, não ter vergonha de admitir isso, mas encontrar nessa fragilidade e vulnerabilidade, esperança.

Eu estou em pedaços, e eu vim aqui para admtir isso e te contar, que nem sempre isso é ruim. Eu ainda não posso ver para onde esse processo de quebrantamento vai me levar, hoje, que estou no meio dele, tudo o que eu vejo é a dor que ele tem me causado  e em alguns momentos o medo de não ser forte o suficente para passar por ele, mas apesar disso eu acredito que ele há de me levar a algum lugar. Em todos os meus curtos e leves 18 anos eu nunca passei por algo que não tinha um próposito, e se tem coisas hoje que eu vivi e que eu ainda não entendendo o porquê, é muito mais sobre minha teimosia em aceitar o que Deus queria tratar,  do que Ele ter esquecido de mim naquele momento.

E sim, eu estou na Inglaterra, agora morando em Londres, mas o coração de Sara continua sendo o mesmo coração, infelizmente os ares europeus não conseguiram mudá-lo. E as mesmas batalhas que eu enfrentava em Bh e em Além Paraíba são as mesmas que eu enfrento aqui hoje, não que tudo sejam dores, não mesmo, eu estou morando na cidade que eu sempre sonhei desde de pequena, com um restaurante brasileiro cheio de coxinha bem em frente da minha casa, mas o meu coração ainda precisa tanto de Deus .

E essa é a principal razão de eu escrevendo esse texto, porque eu preciso muito mais de Deus do que antes achava e eu quero, principalmente, quero me tornar capaz de abrir mão do que quer que seja, quero amá-lo mais, quero amá-lo mais que todas as minhas séries de TV e filmes que eu passava o dia inteiro assistindo e me escondendo nelas, quero amá-lo mais que a minha necessidade de ser bem sucedida para as outras pessoas e escrever histórias que só vão glorificar a mim mesma. Eu ainda não o amo, e esse é um dos processos de se quebrantar e ser honesta em relação as próprias fraquezas, do que querer se apresentar a Deus com uma mascara que ele sabe que não é verdadeira. Eu ainda não o amo dessa forma, mas eu quero amá-lo! E é nisso que eu quero pedir a oração de vocês, se eu posso contar com vocês em oração, quero ser honesta e realmente usulfruir disso, da alegria que é ter alguém orando por você.

Eu estou indo para a quarta semana da minha ETED, fisicamente estou ótima, mas no meu emocional, muitas coisas tem sido chacoalhadas e muitos falsos fundamentos tem caído e eu sei que isso é só o começo e me alegro muito com isso, com o saber que Deus quer mudar muitas coisas em mim. Todo esse processo de estar morando aqui na Inglaterra tem sido também como uma montanha russa, só sei que cheguei em Abril e agora já é Novembro, o tempo tem passado muito mais rápido do que eu tenho consiguido acompanhar e para ser honesta já até parei de contar os meses ( se você quiser contar para mim então ficarei feliz) .  Mas aqui estou eu, nem sempre firme, nem sempre forte, mas vivendo o que Jesus quer que eu viva e, aprendendo aos poucos, a caminhar com ele. E por ele, todo o caminho vale a pena.

Beijão!

E Algumas fotos para vocês verem a minha carinha:

O Que Tem Acontecido

fotinha {a foto é somente ilustrativa}

Na semana que vem vai fazer seis meses desde que eu cheguei aqui na Inglaterra, e ver meninas que acabaram de chegar aqui na base de Harpenden para a ETED falando que não sabem como vão aguentar ficar seis meses longe da família me faz perceber que sim, eu fiz isso,( I made it) eu já consegui, eu estou completando seis meses longe da minha família. E como o tempo passou rápido e desapercebido por mim, tanta coisa aconteceu durante esses meses, mas o que eu posso garantir é que as experiências que eu vivi exteriomente, na “terra da rainha” não se comparam a tudo o que eu vivi e experimentei dentro de mim nesse tempo.

Quando eu cheguei em Harpenden pela primeira vez eu era uma menina assustada, que não sabia como irira conseguir ficar todo esse tempo longe dos meus pais e que em minha mente achava tudo ( e todo mundo) novo e maravilhoso. Eu preciso ser sincera e dizer que o que eu menos pensei nos meus dois primeiros meses aqui na Inglaterra, era o porque eu estava aqui na Inglaterra, no próposito que Deus tinha para mim aqui. Eu não falo por causa da minha rotina ou por eu estar tendo as minhas aulas de ingles, mas o meu coração estava desconectado, as minhas atitudes e as minhas intenções simplesmente não se encontravam com Deus, nem para pedir opinião. Eu me distraí, essa é a verdade. E como ser humano eu continuo lutando contra isso dia após dia. Mas foi então que gradativamente algumas coisas começaram a mudar no meu coração, quando eu trabalhei no festival cristão foi o começo delas, depois quando eu fui para Cornwall e então em Cornwall, muito aconteceu somente entre Deus e eu, não por causa do lugar, mas porque eu acredito que foi o tempo maduro para que eu vivesse essas mudanças e despertamentos, e eu realmente senti que Deus estava mudando a ordem de muita coisa dentro de mim.

Eu ainda sou muito daquela menina que chegou aqui, mas de alguma forma e não por causa de mim ou por meio de mim, muita coisa tem mudado. No meu interior primeiro e agora talvez seguindo o reflexo de dentro, à minha volta. Quem tem acompanhado as minhas atualizações sabe que eu estou prestes a fazer a ETED, porém não a farei mais aqui na base de Harpenden. Muitas coisas aconteceram na semana passada para que eu possa descrevê-las aqui, mas naquela semana eu cometi erros, Deus me redmiu deles, me ensinou com eles, eu cresci e enfrentei muitos dos meus medos e enfim, os meus planos mudaram. Há mais ou menos um mês eu venho orando para fazer a minha ETED em Londres, as pessoas que me conhecem já sabem de toda a minha história e aconteceu que durante esse tempo Deus foi mudando os planos, muitas coisas aconteceram e eu sentei com os meus líderes aqui em Harpenden para dizer que eu não poderia fazer a ETED com eles. Todo esse processo de mudança de planos e enfrentar pessoas, foi bem doloroso para mim, mas Deus me deu força e coragem para passsar e enfrentar cada um deles.

Agora a minha situação com a base de Londres está praticamente finalizada, os líderes já me aceitaram e o que falta nesse momento é só pagar um valor de inscrição para garantir o meu lugar na base. A escola começa dia 13 de outubro e até lá eu ficarei aqui na base de Harpenden por duas semanas ajudando na cozinha para economizar dinheiro. O que desde então já tem sido surpreendentemente bom, pois Deus tem moldado o meu coração em relação a servir e honrar as pessoas daqui. E além disso, eu acredito que essas duas semanas também são também para que eu possa fechar o meu ciclo aqui, mais do que com as pessoas à minha volta, mas como uma forma de refletir, agradecer, liberar perdão para o que precisa ser liberado e entregar a Deus tudo o que eu vivi nesse tempo aqui emocionalmente. Que foi extremamente crucial e necessário para mim e para o que Deus quer fazer na minha vida daqui pra frente.

O que me espera agora pela frente enche o meu coração de expectativa, não por causa do lugar, mas por causa dessa caminhada que eu sinto iniciar em relação a ouvir a Deus:  buscar a diração, ouvir errado e não me condenar por causa disso, começar de novo, não caminhar pela necessidade de aprovação das pessoas e de alguma forma, começar a andar em confiança do que Deus tem falado comigo. Tem sido doloroso, tem sido difícil, mas tem sido bonito.

Então  o que eu gostaria de pedir oração é em relação á essa mudança e que eu acredito que é uma nova fase que Deus tem pra mim aqui; pelas finanças e pelo dinheiro para pagar essa escola, para que Deus continue suprindo como Ele já tem feito em todo esses seis meses.

 

Falando nisso, esse é o primeiro texto que eu estou escrevendo no meu computador (!) sim, agora eu tenho um e que foi também resposta de oração! Então perdoem os meus erros de português porque o teclado está em Inglês.

 

É isso aí, eu tô bem, eu tô viva e aos poucos virando gente grande.

 

Graça e paz.

Trazendo o King’s Kids para Cornwall

Eu mal voltei do festival que estive trabalhando por duas semanas e aqui na base nós já tínhamos outro desafio. Dar o primeiro passo para implantar o modelo do King’s Kids que a gente tem lá no Brasil, nas igrejas locais daqui. Não foram duas semanas, mas a ideia foi fazer um pocket de três dias, no mesmo modelo de ensino e atividades práticas ( liderado por um casal de brasileiros que trabalhavam com isso) em uma grande igreja aqui perto, como forma de apoiar o trabalho que eles têm tido com jovens e ao mesmo tempo “experimentar” como seria se abríssemos o ministério aqui.

No começo o clima era de tensão e expectativa para ver como as crianças daqui reagiriam a esse tipo de trabalho, mas nós fomos felizmente surpreendidos com a resposta.

A impressão que eu tenho é que Deus realmente colocou cada uma daquelas crianças ali, todas eram tão criativas e cheias de dons e o que nós fizemos nesse tempo foi simplesmente reafirmar a identidade que elas têm em Deus. As que tinham medo de orar em voz alta, no última dia oraram todas juntas. Uma das meninas ama cozinhar e no último dia fez um bolo só pra gente e levou pra sala. Fizemos cada criança falar aquilo que ela via de belo no outro e desse forma uma reafirmava a identidade da outra. “Você é linda”, “eu te acho criativo”, “eu amo os seus olhos”, “você é corajosa “, “você é capaz “, “você é amada”, foram as palavras que essas crianças mais ouviram nesses dias.

O trabalho terminou ontem com uma esperança para o que pode ser no futuro e pessoalmente foi um tempo muito importante pra mim. Nós todos sentimos a batalha espiritual que estávamos travando, e para mim que estava ensinando aquelas crianças sobre identidade delas, senti durante esses dias a minha própria ser questionada. Não por acaso, com certeza, mas o que mais recebemos de Deus nesses dias, que foi muito claro, tanto nas crianças mas em nós os que estávamos liderando, foi ENCORAJAMENTO. Encorajamento contra as mentiras de Satanás, contra as mentiras da nossa mente e contra as mentiras das outras pessoas.

E pude ver Deus realmente cuidando do meu coração e da mesma forma do coração de um menino de sete anos que tinha ouvido alguém chamá-lo de idiota, reafirmando a identidade de filho e o chamado dado por ele.

Essa foi a minha primeira experiência em trabalho efetivo com JOCUM e estou muito grata por estar vivendo isso. Ainda existe muitas áreas da minha vida que eu não vejo claramente, mas Deus tem trabalhado em mim nesse tempo aqui e eu sei que estou vivendo o que Ele quer que eu viva.

A minha ETED começa no dia 24 de Setembro e esse tempo é a direção que eu tenho até então, gostaria de pedir orações em relação à essa escola ( ao pagamento e ao que Deus quer me ensinar nesse tempo) e em relação à essa construção de identidade que eu tenho vivido desde que cheguei na Inglaterra.

Graça e Paz ( acho isso tão bonitinho),

Sara Gusella

Missões: Creation Fest

04/08/2017

Eu saio hoje para trabalhar em um acampamento cristão aqui em Cornwall que atrai 10.000 pessoas por dia, chamado Creation Fest. Serão dez dias acampando e trabalhando em diferentes áreas e esse é um evento que atrai muitos adolescentes e não cristãos da região.

Atualização:

Eu voltei ontem aqui para a base da Jocum em Cornwall. Trabalhei durante sete dias exclusivamente com crianças, conversando com elas, falando com elas sobre Deus e ouvindo as suas dúvidas e questionamentos. No final, tivemos 13 crianças do grupo que eu estava cuidando que aceitaram a Jesus e eu vi o menino mais agitado e agressivo do grupo se mostrar uma criança completamente diferente de um dia pro outro.

O que aconteceu foi: eu esperava algo e o que recebi foi completamente diferente, infinitamente melhor. Deus me surpreendeu muito nesses dias através da vida dessas crianças e desse trabalho, de algo forma eu sinto que uma outra parte da Sara ( a Sara que Deus já tinha planejado e escrito desde o início de tudo) foi despertada dentro de mim. Nessa semana a oração começou a ser algo que me cercava, quando eu vi eu estava orando pelas crianças, depois uma moça da jocum orou comigo no meio do trabalho e depois uma adolescente que eu compartilhei a minha história de vir pra Inglaterra me pediu pra orar com ela ( o que nunca tinha acontecido!!) e depois disso eu devo ter orado com mais três pessoas.

Então eu gostaria de pedir a oração de vocês (!) em relação a isso, eu sinto Deus despertando isso em mim, mas ainda é o começo de uma caminhada, que eu quero caminhar com humildade, coração quebrantado e sabedoria.

—————-

Bom,

Isso é apenas um resumo do que eu tenho vivido aqui nesse tempo, onde eu estou em um processo de “estágio” na base da Jocum em Cornwall, ainda parte da minha escola de inglês que acabou em Julho. Eu ficarei aqui até o meio de setembro até que q minha ETED comece no fim do mês ( dia 24 de Setembro).

See ya!

Xx

Nada de textões , Não Mais.

Nada de textões, não mais. A gente tenta provar a nós mesmos escrevendo textos gigantes e poéticos sobre como tem sido nossas experiências com Deus só porque vimos outros fazendo isso, e eles pareciam tão crentes e irrepreensíveis naqueles relatos que então, passamos a querer ser assim também.
Mas sinceramente não é necessário, a realidade do que Deus faz na nossa vida é escancaradas na nossa alma, no nosso jeito de falar, na intensidade do amar o outro, não em um post do Instagram. A internet já corrompeu e inverteu muito valores dentro de mim e eu sinto que o meu coração está saturado de disso, de afirmação através de likes e vizualizações. Se eu não sou capaz de ter certeza de quem eu sou e da identidade que Deus me deu no meu dia a dia, não é nas minhas redes sociais que eu vou encontrar isso.
Deus é. A minha realidade com ele tem que ser muito mais importante do que contar as pessoas o que eu estou vivendo.
Testemunhar a Deus é uma coisa, reafirmar a si próprio é algo totalmente diferente.
Que ninguém nunca veja, que ninguém me ouça, que ninguém me admire pelas minhas "sábias palavras" mas que eu possa conhecer Jesus e que a minha vida glorifique à ele.