O Que Tem Acontecido

fotinha {a foto é somente ilustrativa}

Na semana que vem vai fazer seis meses desde que eu cheguei aqui na Inglaterra, e ver meninas que acabaram de chegar aqui na base de Harpenden para a ETED falando que não sabem como vão aguentar ficar seis meses longe da família me faz perceber que sim, eu fiz isso,( I made it) eu já consegui, eu estou completando seis meses longe da minha família. E como o tempo passou rápido e desapercebido por mim, tanta coisa aconteceu durante esses meses, mas o que eu posso garantir é que as experiências que eu vivi exteriomente, na “terra da rainha” não se comparam a tudo o que eu vivi e experimentei dentro de mim nesse tempo.

Quando eu cheguei em Harpenden pela primeira vez eu era uma menina assustada, que não sabia como irira conseguir ficar todo esse tempo longe dos meus pais e que em minha mente achava tudo ( e todo mundo) novo e maravilhoso. Eu preciso ser sincera e dizer que o que eu menos pensei nos meus dois primeiros meses aqui na Inglaterra, era o porque eu estava aqui na Inglaterra, no próposito que Deus tinha para mim aqui. Eu não falo por causa da minha rotina ou por eu estar tendo as minhas aulas de ingles, mas o meu coração estava desconectado, as minhas atitudes e as minhas intenções simplesmente não se encontravam com Deus, nem para pedir opinião. Eu me distraí, essa é a verdade. E como ser humano eu continuo lutando contra isso dia após dia. Mas foi então que gradativamente algumas coisas começaram a mudar no meu coração, quando eu trabalhei no festival cristão foi o começo delas, depois quando eu fui para Cornwall e então em Cornwall, muito aconteceu somente entre Deus e eu, não por causa do lugar, mas porque eu acredito que foi o tempo maduro para que eu vivesse essas mudanças e despertamentos, e eu realmente senti que Deus estava mudando a ordem de muita coisa dentro de mim.

Eu ainda sou muito daquela menina que chegou aqui, mas de alguma forma e não por causa de mim ou por meio de mim, muita coisa tem mudado. No meu interior primeiro e agora talvez seguindo o reflexo de dentro, à minha volta. Quem tem acompanhado as minhas atualizações sabe que eu estou prestes a fazer a ETED, porém não a farei mais aqui na base de Harpenden. Muitas coisas aconteceram na semana passada para que eu possa descrevê-las aqui, mas naquela semana eu cometi erros, Deus me redmiu deles, me ensinou com eles, eu cresci e enfrentei muitos dos meus medos e enfim, os meus planos mudaram. Há mais ou menos um mês eu venho orando para fazer a minha ETED em Londres, as pessoas que me conhecem já sabem de toda a minha história e aconteceu que durante esse tempo Deus foi mudando os planos, muitas coisas aconteceram e eu sentei com os meus líderes aqui em Harpenden para dizer que eu não poderia fazer a ETED com eles. Todo esse processo de mudança de planos e enfrentar pessoas, foi bem doloroso para mim, mas Deus me deu força e coragem para passsar e enfrentar cada um deles.

Agora a minha situação com a base de Londres está praticamente finalizada, os líderes já me aceitaram e o que falta nesse momento é só pagar um valor de inscrição para garantir o meu lugar na base. A escola começa dia 13 de outubro e até lá eu ficarei aqui na base de Harpenden por duas semanas ajudando na cozinha para economizar dinheiro. O que desde então já tem sido surpreendentemente bom, pois Deus tem moldado o meu coração em relação a servir e honrar as pessoas daqui. E além disso, eu acredito que essas duas semanas também são também para que eu possa fechar o meu ciclo aqui, mais do que com as pessoas à minha volta, mas como uma forma de refletir, agradecer, liberar perdão para o que precisa ser liberado e entregar a Deus tudo o que eu vivi nesse tempo aqui emocionalmente. Que foi extremamente crucial e necessário para mim e para o que Deus quer fazer na minha vida daqui pra frente.

O que me espera agora pela frente enche o meu coração de expectativa, não por causa do lugar, mas por causa dessa caminhada que eu sinto iniciar em relação a ouvir a Deus:  buscar a diração, ouvir errado e não me condenar por causa disso, começar de novo, não caminhar pela necessidade de aprovação das pessoas e de alguma forma, começar a andar em confiança do que Deus tem falado comigo. Tem sido doloroso, tem sido difícil, mas tem sido bonito.

Então  o que eu gostaria de pedir oração é em relação á essa mudança e que eu acredito que é uma nova fase que Deus tem pra mim aqui; pelas finanças e pelo dinheiro para pagar essa escola, para que Deus continue suprindo como Ele já tem feito em todo esses seis meses.

 

Falando nisso, esse é o primeiro texto que eu estou escrevendo no meu computador (!) sim, agora eu tenho um e que foi também resposta de oração! Então perdoem os meus erros de português porque o teclado está em Inglês.

 

É isso aí, eu tô bem, eu tô viva e aos poucos virando gente grande.

 

Graça e paz.

Anúncios

Trazendo o King’s Kids para Cornwall

Eu mal voltei do festival que estive trabalhando por duas semanas e aqui na base nós já tínhamos outro desafio. Dar o primeiro passo para implantar o modelo do King’s Kids que a gente tem lá no Brasil, nas igrejas locais daqui. Não foram duas semanas, mas a ideia foi fazer um pocket de três dias, no mesmo modelo de ensino e atividades práticas ( liderado por um casal de brasileiros que trabalhavam com isso) em uma grande igreja aqui perto, como forma de apoiar o trabalho que eles têm tido com jovens e ao mesmo tempo “experimentar” como seria se abríssemos o ministério aqui.

No começo o clima era de tensão e expectativa para ver como as crianças daqui reagiriam a esse tipo de trabalho, mas nós fomos felizmente surpreendidos com a resposta.

A impressão que eu tenho é que Deus realmente colocou cada uma daquelas crianças ali, todas eram tão criativas e cheias de dons e o que nós fizemos nesse tempo foi simplesmente reafirmar a identidade que elas têm em Deus. As que tinham medo de orar em voz alta, no última dia oraram todas juntas. Uma das meninas ama cozinhar e no último dia fez um bolo só pra gente e levou pra sala. Fizemos cada criança falar aquilo que ela via de belo no outro e desse forma uma reafirmava a identidade da outra. “Você é linda”, “eu te acho criativo”, “eu amo os seus olhos”, “você é corajosa “, “você é capaz “, “você é amada”, foram as palavras que essas crianças mais ouviram nesses dias.

O trabalho terminou ontem com uma esperança para o que pode ser no futuro e pessoalmente foi um tempo muito importante pra mim. Nós todos sentimos a batalha espiritual que estávamos travando, e para mim que estava ensinando aquelas crianças sobre identidade delas, senti durante esses dias a minha própria ser questionada. Não por acaso, com certeza, mas o que mais recebemos de Deus nesses dias, que foi muito claro, tanto nas crianças mas em nós os que estávamos liderando, foi ENCORAJAMENTO. Encorajamento contra as mentiras de Satanás, contra as mentiras da nossa mente e contra as mentiras das outras pessoas.

E pude ver Deus realmente cuidando do meu coração e da mesma forma do coração de um menino de sete anos que tinha ouvido alguém chamá-lo de idiota, reafirmando a identidade de filho e o chamado dado por ele.

Essa foi a minha primeira experiência em trabalho efetivo com JOCUM e estou muito grata por estar vivendo isso. Ainda existe muitas áreas da minha vida que eu não vejo claramente, mas Deus tem trabalhado em mim nesse tempo aqui e eu sei que estou vivendo o que Ele quer que eu viva.

A minha ETED começa no dia 24 de Setembro e esse tempo é a direção que eu tenho até então, gostaria de pedir orações em relação à essa escola ( ao pagamento e ao que Deus quer me ensinar nesse tempo) e em relação à essa construção de identidade que eu tenho vivido desde que cheguei na Inglaterra.

Graça e Paz ( acho isso tão bonitinho),

Sara Gusella

Missões: Creation Fest

04/08/2017

Eu saio hoje para trabalhar em um acampamento cristão aqui em Cornwall que atrai 10.000 pessoas por dia, chamado Creation Fest. Serão dez dias acampando e trabalhando em diferentes áreas e esse é um evento que atrai muitos adolescentes e não cristãos da região.

Atualização:

Eu voltei ontem aqui para a base da Jocum em Cornwall. Trabalhei durante sete dias exclusivamente com crianças, conversando com elas, falando com elas sobre Deus e ouvindo as suas dúvidas e questionamentos. No final, tivemos 13 crianças do grupo que eu estava cuidando que aceitaram a Jesus e eu vi o menino mais agitado e agressivo do grupo se mostrar uma criança completamente diferente de um dia pro outro.

O que aconteceu foi: eu esperava algo e o que recebi foi completamente diferente, infinitamente melhor. Deus me surpreendeu muito nesses dias através da vida dessas crianças e desse trabalho, de algo forma eu sinto que uma outra parte da Sara ( a Sara que Deus já tinha planejado e escrito desde o início de tudo) foi despertada dentro de mim. Nessa semana a oração começou a ser algo que me cercava, quando eu vi eu estava orando pelas crianças, depois uma moça da jocum orou comigo no meio do trabalho e depois uma adolescente que eu compartilhei a minha história de vir pra Inglaterra me pediu pra orar com ela ( o que nunca tinha acontecido!!) e depois disso eu devo ter orado com mais três pessoas.

Então eu gostaria de pedir a oração de vocês (!) em relação a isso, eu sinto Deus despertando isso em mim, mas ainda é o começo de uma caminhada, que eu quero caminhar com humildade, coração quebrantado e sabedoria.

—————-

Bom,

Isso é apenas um resumo do que eu tenho vivido aqui nesse tempo, onde eu estou em um processo de “estágio” na base da Jocum em Cornwall, ainda parte da minha escola de inglês que acabou em Julho. Eu ficarei aqui até o meio de setembro até que q minha ETED comece no fim do mês ( dia 24 de Setembro).

See ya!

Xx

Nada de textões , Não Mais.

Nada de textões, não mais. A gente tenta provar a nós mesmos escrevendo textos gigantes e poéticos sobre como tem sido nossas experiências com Deus só porque vimos outros fazendo isso, e eles pareciam tão crentes e irrepreensíveis naqueles relatos que então, passamos a querer ser assim também.
Mas sinceramente não é necessário, a realidade do que Deus faz na nossa vida é escancaradas na nossa alma, no nosso jeito de falar, na intensidade do amar o outro, não em um post do Instagram. A internet já corrompeu e inverteu muito valores dentro de mim e eu sinto que o meu coração está saturado de disso, de afirmação através de likes e vizualizações. Se eu não sou capaz de ter certeza de quem eu sou e da identidade que Deus me deu no meu dia a dia, não é nas minhas redes sociais que eu vou encontrar isso.
Deus é. A minha realidade com ele tem que ser muito mais importante do que contar as pessoas o que eu estou vivendo.
Testemunhar a Deus é uma coisa, reafirmar a si próprio é algo totalmente diferente.
Que ninguém nunca veja, que ninguém me ouça, que ninguém me admire pelas minhas "sábias palavras" mas que eu possa conhecer Jesus e que a minha vida glorifique à ele.

Me Formei na escola de Inglês – 3 meses na Inglaterra 


Faz três meses que eu cheguei aqui, três meses desde que deixei minha família, a possibilidade de uma faculdade e qualquer tipo de segurança e estabilidade e vim para cá. Inglaterra. Agora, depois de três meses, o propósito ainda não é totalmente claro, porque em tudo o que eu vivi durante esses meses, a Inglaterra foi só plano de fundo. Sabe Aquela árvore e o céu azul que ficam embaçados lá no fundo da tela, que ninguém presta muita atenção porque o foco está todo no personagem principal. Então, é isso o que vem acontecido.Durante toda a minha vida eu escrevi sobre Deus, mas escrevia sem propriedade, sem o real conhecimento da pessoa Dele e agora que o tenho descoberto, ainda não consigo descreve-li.

Mas Deus falou e agiu e transformou muita coisa em mim nesses três meses. Porém se você quiser um real feed back, eu preciso dizer: eu não estou nem no começo.


Eu me mudei há um mês atrás para um região de praia, na costa do país e que é considerada uma das mais pobres. E desde que eu cheguei aqui, tanta coisa mudou dentro de mim, Deus tem trabalhado tanto, MAS tanto em meu coração, eu tenho tido a oportunidade de servir com pessoas maravilhosas e pode presenciar o que Deus tem feito nas igrejas daqui. E isso tem sido de uma alegria que me transborda.

Hoje a minha escola termina, um ciclo acaba, mas o que Deus tem para fazer na minha vida não está nem começando.

E por causa disso eu peço, mais uma vez, para que vocês orem por mim e intercedam por esse meu tempo aqui, esse é o bem mais precioso que vocês podem me dar, pois existe um propósito no coração de Deus para eu estar aqui e com todo o meu coração eu quero cumpri-lo.

Fiquem com Deus! Quero sempre poder atualizar vocês sobre o que tenho vivido.

Graça e paz 🕊

Da Série: Notas do Celular

Quem eu sou

É fácil em fases da minha vida como essa, ao conviver com diferentes tipos de personalidade, sentir aquela dor no fundo do estômago, o desapontamento por ser desse jeito e não conseguir ser do jeito do outro.
Imatura demais, inexperiente demais, chorona demais, dramática demais. Essas são algumas coisas que as palavras e os olhares das pessoas desde que eu saí de casa me fizeram sentir. Okay, só tem três mês, mas teve dias que eu desejei ser tão madura quanto aquela outra pessoa, ou me mostrar segura de si tanto quanto às pessoas a minha volta mostram ou simplesmente não precisar da ajuda de ninguém. Infelizmente ( ou felizmente) nenhuma dessas metas ainda foram alcançadas.
Mas acontece que quando a gente está vivendo nesse processo, existe os dias que a gente só queria ser o outro, ter o comportamento e a segurança do futuro que o outro faz parecer tão fácil. E existe também pessoas que faz a gente parecer menor porque não agimos da forma que ela agiria nos momentos de tensão. Mas acontece que gente é a gente, vamos começar por aí.
A gente tem a nossa história e que esses momentos de querer ser o outro, ter a personalidade do outro e o pulso firme do outro são normais é verdade, mas o problema é que quando isso acontece, a gente esquece de toda a nossa história, das experiências que os nossos pais viveram que formaram a personalidade deles, que durante a criação foram passada para nós. De todos os momentos bons e ruins, de todos os dias de sol e de tempestade em que Deus, lentamente, foi desdenhando o meu caráter.

Eu não sou igual ao outro, mas tudo bem. Ainda estou aprendendo a fazer a mala correndo e a lidar bem com personalidades completamente diferentes da minha. Ainda estou encontrando a minha identidade, ainda estou descobrindo quem Deus é e conhecendo Ele, entendo quem eu sou. Ainda há dias que da vontade de voltar no tempo, ainda há dias em que a maturidade parece tão distante.
Ainda. Mas ainda bem que ainda não é para sempre. Eu ainda chego lá.

Dois meses na Inglaterra 

Semana que vem vai fazer dois meses desde que cheguei na base da Jocum em Harpenden, Inglaterra para fazer meu curso de inglês. Eu não consigo descrever em palavras tudo o que já vivi nesses dois meses, mas posso confirmar que Deus foi bom durante todas essas sete semanas. Essa é q minha primeira vez longe de casa, o que faz todo os processos mais longos e demorados e um deles é a comunicação.Sei que durante todo esse tempo houve muito pessoas orando por mim e só Deus sabe o quanto cada uma dessas orações foram essenciais e poderosas em cada momento que eu vivi. Gostaria de retribuir mais aos que oram e intercedem pela minha vida, eu creio que vocês não estão investindo numa obra em vão, Deus tem algo para fazer aqui e cada oração de vocês é um tijolo a mais naquilo que Deus tem erguido em mim. 


Nesse último fim de semana eu tive o prazer de estar no maior festival cristão aqui da Inglaterra, onde eu vi todo o cristianismo no país de uma outra forma. Existem ainda, muitos jovens sedentos por Deus aqui, com uma fé muitas vezes maior e mais sábia que a nossa, que em algum momento julgou a Europa. Aqui, a igreja católica e a evangélica são unidas como uma só, cristão é quem acredita em Jesus e isso parece ser tudo em que eles estão interessados.


Essa experiência quebrou muitos preconceitos em mim, admito e me fez refletir o quanto o meu jeito de adorar e viver como cristão é influenciado pela minha cultura e o lugar que eu vivo.

Enfim, como eu disse, tudo isso é parte de um processo que Deus tem trabalhado em mim e eu gostaria de continuar contando com as suas orações pela minha vida, elas valem mais pra mim que o próprio fato de estar na Inglaterra e eu faço o compromisso de, apesar das minhas falhas, sempre compartilhar com vocês as boas novas de tudo o que Deus tem feito em mim e ao meu redor ( fruto das orações de vocês, aí do Brasil).

Muito obrigada!